Pesquisadores descobrem o tratamento de Alzheimer ao tentar curar diabetes

Desenvolver novos tratamentos para doenças pode ser um processo tedioso e frustrante para os cientistas. Muitas vezes, os medicamentos recém-desenvolvidos simplesmente não funcionam da maneira pretendida, ficando aquém das expectativas e levando a um beco sem saída. Mas outras vezes, um medicamento desenvolvido para um propósito acaba sendo ainda mais eficaz no tratamento de algo completamente diferente. Isso parece ser exatamente o que está acontecendo com uma nova classe de medicamento originalmente desenvolvida para o tratamento do diabetes tipo 2, mas que recentemente demonstrou ter um benefício drástico em camundongos com Alzheimer.

As novas drogas, classificadas como “triplo agonista” (porque funcionam de três maneiras), foram testadas em camundongos que foram desenvolvidos para expressar genes ligados à doença de Alzheimer. Os animais já exibiam muitos dos sintomas associados à doença, incluindo memória comprometida e dificuldade de aprendizagem, mas mostraram uma melhora dramática em sua função cerebral após receber o tratamento exclusivo.

O tratamento “mantém uma clara promessa de ser desenvolvido em um novo tratamento para doenças neurodegenerativas crônicas, como a doença de Alzheimer”, explica Christian Holscher, pesquisador-chefe do estudo. A pesquisa foi publicada na Brain Research.

De acordo com o estudo, acredita-se que o tratamento de ação tripla funcione contra a doença de Alzheimer protegendo as células nervosas, reduzindo as placas amilóides no cérebro (que estão ligadas à doença de Alzheimer) e reduzindo a inflamação enquanto diminui a degradação das células nervosas. Os ratos que receberam tratamento demonstraram melhora significativa no aprendizado e na formação da memória.

Descobrir um potencial novo tratamento para uma doença devastadora como a doença de Alzheimer é uma notícia fantástica, mas o fato de que a droga foi inicialmente destinada a tratar o diabetes tipo 2 não é apenas uma coincidência. Diabetes tipo 2 tem sido associada à doença de Alzheimer no passado e os dois geralmente andam de mãos dadas em indivíduos mais velhos. “A dessensibilização da insulina também foi observada no cérebro da doença de Alzheimer”, explicam os pesquisadores em um comunicado de imprensa. “A dessensibilização pode desempenhar um papel no desenvolvimento de distúrbios neurodegenerativos, pois a insulina é um fator de crescimento com propriedades neuroprotetoras”.

O tratamento ainda não foi aprovado para pacientes com Alzheimer e só foi demonstrado nestes ensaios iniciais com camundongos. Mais pesquisas são certamente justificadas e, se tivermos sorte, poderemos realmente ter uma solução para a doença, mais cedo ou mais tarde.

Loading...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *