Como trabalhar a síndrome da fibromialgia com o método Pilates

“A síndrome da fibromialgia é uma das doenças reumatológicas mais frequentes, cuja principal característica é a dor musculoesquelética difusa e crônica.”

A síndrome da fibromialgia
A palavra fibromialgia tem sua origem no latim e no grego. A “fibro” vem do latim que se refere ao tecido fibroso, que compõe os ligamentos, tendões e fáscias. Do grego, a “mina”, que significa tecido muscular, “algos”, que significa dor, e “ia”, que significa condição.

Esta denominação foi inicialmente proposta por Yunys e Cols, em 1981, com o objetivo de substituir a terminologia da fibrose. Ele é usado para descrever um tipo específico de reumatismo caracterizado pela presença de pontos musculares dolorosos à palpação, com o entendimento de que não há inflamação do tecido com essa doença.

A fibromialgia também recebe a denominação de síndrome fibromiálgica, uma vez que é uma síndrome clínica de dor, associada a outros sintomas.

Pacientes com a síndrome da fibromialgia têm o hábito de se queixar de fadiga, distúrbios do sono, rigidez matinal, parestesias nas extremidades, sensação subjetiva de edema e distúrbios cognitivos.

Outras doenças associadas são frequentes com essa patologia, e acabam contribuindo com o sofrimento e com a pior qualidade de vida dos pacientes. Entre as doenças associadas, as mais frequentes são: depressão, ansiedade, síndrome da fadiga crônica, síndrome miofascial, síndrome do intestino irritável e síndrome uretral não específica.

Embora seja uma condição comum e é reconhecida há muito tempo, Síndrome de Fibromialgia única ganhou espaço e importância nas investigações, nas últimas décadas, e ainda existem alguns estudos que podem reivindicar a etiologia e patogénese.

O Diagnóstico e Epidemiologia
O Comité do American College of Rheumatology (ACR) definido como os critérios de classificação da síndrome de fibromialgia a presença de dor generalizada na história do paciente, o que afecta axial e periférica, acima ou abaixo do esqueleto da cintura, e que a dor deve ter a mesma duração ou mais longa de três meses.

O exame físico é a presença de dor à palpação, pelo menos 11 de 19 pontos sensíveis (9 pares):

Occipício: bilateral, na inserção do músculo suboccipital.
Parte inferior do colo do útero: bilateral, na parte frontal das vértebras cervicais nos espaços intertransversos entre as vértebras C5-C7.
Trapézio: bilateral, ponto médio da borda superior.
Supraespinhal: bilateral, na sua origem, acima da espinha da escápula, na borda medial.
Segunda costela: bilateral, na segunda articulação costocondral, lateral às articulações da superfície cutânea.
Epicôndilo lateral: bilateral, distal a 2 cm abaixo dos epicôndilos.
Glúteo: bilateral, no quadrante externo superior do glúteo, na borda anterior do músculo.
Trocanter maior: bilateral, na parte posterior da proeminência do trocânter.
Joelho: bilateral, na região medial da linha articular.
A palpação digital deve ter uma força de aproximadamente 4 kg. A força de 4 kg também é definida como força suficiente para clarear a miniatura.

A contagem dos pontos sensíveis pode estar relacionada ao estresse e pode estar ausente até 25% dos pacientes com fibromialgia, motivo pelo qual em 2010 novos critérios de avaliação foram criados, são eles:

Os critérios diagnósticos
O paciente satisfaz os critérios diagnósticos da síndrome de fibromialgia se satisfizer as 3 condições abaixo:

O índice de dor generalizada ≥7 e pontuação da escala de gravidade dos sintomas ≥5 ou índice de dor generalizada de 3-6 e o ​​escore na escala de gravidade dos sintomas ≥9.
Os sintomas estão presentes em um nível semelhante nos últimos 3 meses.
O paciente não tem outra patologia que possa explicar a dor.
Índice de Dor Generalizado
Articulação escapulo-umeral esquerda
Articulação escapulo-umeral direita
Braço esquerdo
Braço direito
Antebraço esquerdo
Antebraço direito
Quadril esquerdo (nádega e trocânter)
Quadril direito (nádega e trocanter)
Perna esquerda superior
Perna direita superior
Perna direita inferior
Perna esquerda inferior
Mandíbula esquerda
Mandíbula direita
Peito
Abdômen
Parte superior traseira
Parte inferior das costas
Pescoço
Índice da Escala de Gravidade dos Sintomas
Fadiga
Despertar não atualizado
Sintomas cognitivos
A classificação da gravidade dos sintomas é a soma da gravidade dos 3 sintomas (fadiga, repouso consciente, sintomas cognitivos), bem como a intensidade dos sintomas somáticos em geral. A pontuação final é entre 0 e 12.

Sintomas somáticos que podem ser considerados
Dor muscular
Síndrome do intestino irritável
Fadiga
Problemas de razão ou memória
dor de cabeça
Dor ou cãibras no abdome
Dormência ou formigueiro
Tonturas
Insônia
Depressão
Constipação
Dor no abdômen superior
Náusea
Nervosismo
Dor torácica
Visão turva
Febre
Diarréia
Boca seca
Erupções
Chiado
Fenômeno de Raynaud
picores
Sibilos nos ouvidos
Vômito
Feridas na boca
Perda ou mudança no gosto
Convulsões
Pele ou olhos amarelos
Xeroftalmia
Perda de apetite
Falta de ar
Mudanças na pele para vermelho
Sensibilidade ao sol
Difícil de ouvir
Equimose facial
Perda de cabelo
Micção freqüente
Desconforto na área da bexiga
Os novos critérios representam uma mudança na definição de fibromialgia, mas a vantagem é que não é necessário o exame dos tender points, embora os autores recomendem que o exame físico seja feito sempre.

A fibromialgia é uma doença de etiologia desconhecida. Seu diagnóstico é estabelecido principalmente pela clínica e sua sintomatologia inclui não apenas a dor generalizada, mas também um grande número de outros sintomas, dentre os quais os mais relevantes são fadiga, sintomas cognitivos, distúrbios do sono e depressão.

A síndrome da fibromialgia é uma patologia crônica que afeta entre 2% e 8% da população, afetando pessoas de qualquer idade, sendo o diagnóstico muito frequente no sexo feminino.

É uma das principais causas de consultas aos médicos de sistemas musculoesqueléticos, sendo considerada a mais comum desordem reumatológica, perdendo apenas para osteoartrite.

É extremamente importante realizar outros exames, para excluir outras doenças ou síndromes que possam nos confundir com a síndrome da fibromialgia.

O tratamento e Pilates na síndrome da fibromialgia
O tratamento dessa patologia deve ser feito de forma multidisciplinar, baseado em drogas e não em drogas. É extremamente importante passar informações aos pacientes sobre sua patologia. Informar ao paciente que ele não tem uma doença que coloque sua vida em risco, e que esta doença esteja relacionada a alterações fisiopatológicas do organismo.

É importante notar que esta é uma doença crônica que pode ser controlada com o tratamento, mas nem todos os sintomas desaparecerão.

A informação ao paciente com fibromialgia é de grande importância para reduzir sua ansiedade e fazê-los contribuir e ser ativo em seu tratamento.

A fisioterapia atua diretamente na parte física dos pacientes, estes profissionais possuem uma grande quantidade de técnicas que permitem acabar com o ciclo vicioso dos sintomas desses pacientes crônicos.

Os exercícios fisioterapêuticos reduzem a dor, a fadiga, as tensões musculares, os níveis de estresse, a ansiedade e a depressão, quando realizados de forma monitorada e regular.

Pilates, por sua vez, é kinesiologia forma avançada, proporcionando o estiramento, permitindo a recuperação do comprimento do músculo funcional, permitindo alívio de tensão, realinhando postura e melhor amplitude de movimento, mais a liberdade e a consciência do movimento.

A prática de exercícios em pacientes com síndrome da fibromialgia melhora significativamente a qualidade de vida dessas pessoas, assim como a melhora no controle da dor, depressão e ansiedade.

Como condição para a qual não há cura, os pacientes com fibromialgia devem estar cientes de que é necessária disciplina e rotina de exercícios regulares são de grande importância para a melhoria da qualidade de vida.

Pilates pode ser considerado um treinamento físico e mental. Isso porque o método proporciona sensação de bem-estar, tranquilidade, consciência corporal, otimiza a respiração, potencializa a capacidade respiratória, promove o relaxamento e melhora significativa na qualidade do sono. Então, o paciente com fibromialgia que apresenta o distúrbio do sono percebe rapidamente essa melhora.

O método Pilates trabalha a respiração de forma lenta e calma, a pessoa conscientemente mobiliza a região diafragmática, melhorando sua condição energética diafragmática. Isso oferece uma respiração mais profunda e silenciosa, ajudando no controle da ansiedade.

Exercícios para melhorar o sono
O exercício regular é considerado um meio natural de combater a insônia.

O Joseph Pilates afirma que os exercícios de rolamento da coluna relaxar os nervos, massagear a coluna e restaurar a flexibilidade da coluna vertebral.

Para obter essa melhoria, podemos executar os seguintes exercícios, podendo realizá-los antes de dormir:

Rolando como uma bola

Instruções

Sentado, flexão plantar do pé (os dedos), joelhos e quadris dobrados em direção ao peito com o peso corporal para depois isquiotibiais, a coluna flexionada (como “C”) com foco olhando para os joelhos.
As mãos devem estar do lado das pernas ou atrás dos joelhos.
Para inspirar, vamos contrair o abdômen para aumentar a flexão lombar e fazer o rolamento de volta para a coluna torácica superior (cervical não se move).
Após a expiração, que vai manter o desempenho da coluna de “C” abdominal e curva (mantendo a mesma distância entre os membros inferiores e do tronco, por conseguinte, os quadris e os joelhos não pode mover-se, e movimento não tem pulso) e vamos estendê-lo afronta a alcançar a posição de partida sem pés de apoio no chão, como uma manobra.
Estiramento da Coluna

Instruções

Sentado com a coluna neutra, joelhos em extensão e quadris abduzidos.
Os membros superiores permanecer na frente do corpo com ombros e cotovelos estendido flexão, mantendo o alinhamento das escápulas.
Então, traga o queixo para o peito, flexionando a coluna formando um “C”, fazendo uma expiração completa.
Ao retornar, estenda a coluna e realize a mobilização vertebral, iniciando com a extensão lombar até o término na coluna cervical, retornando à posição inicial.
Cuidados devem ser tomados para que uma rotação interna dos joelhos não ocorra quando a coluna estiver flexionada.
Os exercícios respiratórios para combater a ansiedade
O método Pilates utiliza a realização para ativar corretamente os músculos abdominais transversais, permitindo a estabilização da casa de força.

A respiração deve ser lenta e silenciosa durante todo o processo, continuamente e pela mesma duração, durante a inspiração e durante a expiração.

A inspiração deve ser feita através do nariz e expiração pela boca.

Durante a inspiração, as nervuras aberta, a força é conduzida para fora e para cima, enquanto o crescimento axial ocorre, e os músculos abdominais não deve ser relaxada para evitar a perda de postura e alinhamento.

Atenção para não usar musculatura inadequada durante a inspiração.

Durante a expiração, o movimento é invertido, a caixa torácica é fechada, e a força é levada para dentro e para baixo, empurra os abs músculo do diafragma para dentro criando uma forte energia para o processo de estabilização.

Para praticar esse exercício e começar a controlar a ansiedade, apenas sentar-se confortavelmente em uma cadeira, posição mãos nas costelas para que as pontas dos dedos toque e segure o abdômen contraído.

Inspiração: inspire pelo nariz de maneira calma e contínua, observe como o ar se expande na caixa torácica e como as mãos se separam com a abertura das costelas.

Expiração: expire o ar pela boca, mantendo o abdômen contraído como se quisesse trazer o umbigo de volta para a coluna vertebral, imaginando como o fechamento da calça estava fechado.

Loading...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *